A importância da representatividade de surdos na mídia

A importância da representatividade de surdos na mídia

A representatividade dos surdos na mídia é fundamental para a sua inclusão na sociedade e para o combate ao preconceito. Para que isso ocorra, é importante que a representatividade seja em uma via de mão dupla.

Surdos devem ter acesso ao conteúdo veiculado por meio do trabalho dos intérpretes e das legendas. Além disso, a população em geral deve ter acesso ao conhecimento sobre a cultura surda e a Língua Brasileira de Sinais (Libras).

Estes dois caminhos são essenciais para que haja uma real representação dos surdos, tanto na mídia, quanto fora dela.

Representatividade para combater o preconceito



Embora muita coisa tenha mudado, as pessoas surdas ainda sofrem discriminação na sociedade. Isso ocorre em boa parte porque as pessoas não conhecem ou não convivem com surdos no dia a dia.

A partir disso, cria-se diversos estereótipos e preconceitos que não condizem com a realidade.

A mídia tem o dever de informar a população e promover a igualdade e diversidade na sua programação. Para isso, é importante que as pessoas com deficiência apareçam nas telas com mais frequência.

Assim, é possível que a população entenda melhor questões relacionadas à população surda.

Direito de se manter informado



A mídia tem o papel de informar o cidadão sobre assuntos relevantes que possam interferir na sua vida. A Organização das Nações Unidas (ONU) coloca, inclusive, o direito à informação como um dos direitos fundamentais dos indivíduos. Portanto, assim como os ouvintes, os surdos devem ter isso assegurado.

No Brasil, a Libras foi oficializada e regulamentada em 2002. Com isso, passou-se a ter mais atenção para o seu uso em diversos âmbitos. Em relação à mídia, há a Lei Nº 10.098 de 2000, que diz que os programas de televisão devem incluir interpretação de Libras ou legendas junto com a veiculação das imagens.

Em 2004, houve a publicação do Decreto 5296 que complementou a lei. Uma das ações foi estipular que as legendas e janelas devem seguir um padrão realmente acessível.

Porém, devemos lembrar que os surdos também devem ter direito ao entretenimento. Ou seja, é importante que essas ações se estendam também para filmes, séries e outros programas que não sejam apenas informativos. 

Como a mídia deve garantir a representatividade?

Existem várias formas para que a mídia possa se atentar para a população surda. Uma delas é investir em intérpretes de Libras em toda a sua programação.

Há também o recurso de closed caption (legenda oculta), que é uma espécie de legenda do que está sendo veiculado.

Isso tudo, no entanto, precisa ser bastante aprimorado. Ou seja, o serviço de closed caption precisa de atualizações constantes para que funcione de uma forma melhor e mais correta.

Também é preciso que o intérprete de Libras esteja disponível em toda a programação. De preferência, isso deve ocorrer em uma janela ampla e não em um canto pequeno e escondido na tela.

Além disso, é preciso que a janela de Libras siga o padrão correto da ABNT, para que não prejudique a compreensão do surdo.

A outra forma, e não menos importante, de garantir a representatividade é colocando pessoas surdas na televisão. É importante que haja espaços para que essas pessoas possam se expressar.

Também é uma forma de a sociedade em geral ter contato com a população surda. Isso é fundamental para que haja mais respeito e empatia, o que traz ganhos para todos.

LOJA VIRTUAL